PolíciaMenor

Menor torturada: violência pode ter acontecido na Região Oceânica

5
Tamanho da fonte: A- A+ Por: Lislane Rottas 14/06/2012

Polícia revela que teve avanços nas investigações sobre sessão de agressão registrada em vídeo. Crime pode ter sido por motivos pessoais ou ligação com o tráfico

O caso sobre a sessão de tortura a uma menor de idade, gravada em vídeo, o qual O FLUMINENSE teve acesso e divulgou com exclusividade na quarta-feira, pode estar perto de ser solucionado. De acordo com o delegado titular da 81ª DP (Itaipu), Gabriel Ferrando, o crime pode ter acontecido na Região Oceânica e provocado, a princípio, por motivos passionais. O delegado disse também que ainda essa semana possivelmente todos os envolvidos no caso serão ouvidos.

“As investigações já estão bastante avançadas e estamos na fase de confirmação das identidades destas meninas, inclusive se são menores de idade. Caso isso fique confirmado, elas poderão sofrer medidas punitivas como a internação compulsória”, declarou.

O delegado também declarou que está investigando o suposto envolvimento das agressoras com tráfico.

“No vídeo elas aparecem falando sobre pessoas que estariam ligadas ao tráfico, no entanto ainda não sabemos se isso foi usado somente para intimidar a vítima ou se realmente elas possuem alguma ligação com o crime”, afirmou.

O Ministério Público do Estado informou que não poderia se pronunciar sobre o caso enquanto não houvesse a análise dos autos.

Denúncia - De acordo com o conselheiro tutelar André Cordeiro do 2º Conselho Tutelar, na Região Oceânica, uma pessoa ligou para o órgão na semana passada relatando a existência deste vídeo. “Vamos trabalhar em conjunto com a delegacia responsável para fazer o atendimento especializado com esta menor”, pontuou.

De acordo com a psicóloga Maristela Poubel os transtornos emocionais sofridos pela jovem podem virar problemas traumáticos sérios. “A ciência, bem como a psicologia são claras ao afirmarem que grande parte dos transtornos emocionais tais como ansiedade e pânico são oriundos de situações traumáticas. Desta forma, acredito que a menor agredida ao ter vivido essa situação de violência e exposição do seu corpo, não sairá sem traumas”, declarou a mestre em sexologia da Universidade Gama Filho.


O FLUMINENSE


AVALIE:

 

Enviar para amigo Imprimir

Comente a Notícia

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Grupo O Fluminense. Mensagens que contenham ofensas, acusações e palavrões ou xingamentos não serão publicadas.

Comentários

Esta matéria possui 14 comentário(s)
  1. Vinicius. - 14/06/2012 - 09:46

    Pelo menos as agressoras estavam certas quando falaram que nada aconteceriam com elas.

  2. William Gonçalves - 14/06/2012 - 09:53

    É capaz de culparem a população por não ligarem pro disque denuncia, afinal tudo de ruim o culpado é a população.
    Se vivermos um surto de dengue o culpado é a população que cria mosquito em casa.
    Têm-se políticos corruptos o culpado é a população que vota nesses canalhas.
    Têm-se inflação é porque a população é consumista.
    Têm-se desemprego é porque a população guarda o dinheiro na caderneta de poupança.
    Alguém sabe por que existem contrabandistas e produtos pirateados?

  3. Leonardo - 14/06/2012 - 09:55

    aquela delegacia precisa de fiscalização, o atendimento é péssimo.

  4. kenny - 14/06/2012 - 09:02

    Este absurdo aconteceu em março, segundo a primeira matéria publicada, e foi quando a vítima pediu ajuda na 81 DP. Três meses depois, e o delegado afirma que "as investigações estão avançadas"? Que coisa, não? Estamos tão acostumados com a impunidade que nem mais nos indignamos mais com tamanha morosidade da polícia e do judiciário. E o principal: Nos esquecemos que todos que trabalham na polícia e no judiciário são funcionários publicos que trabalham para nós, e o deveriam fazer com qualidade.

  5. Carlos Alberto - 14/06/2012 - 09:04

    Alguém reparou o que diz a matéria,81 DP?! Diz que o inquérito foi instaurado em março, e estamos em JUNHO, e ninguém ainda foi identificado ou preso?!! É o fim da imagem da polícia mesmo! A jovem foi em MARÇO procurar ajuda e denunciar o que sofreu, e até agora não fizeram nada. Nada mesmo! É para essas agressoras rirem da nossa cara e da cara da polícia e da justiça ou não?! Atenção policias, façam jus ao salário que recebem. Trabalhem, ou saiam do serviço publico! O que vocês fazem aí???

  6. alex - 14/06/2012 - 10:59

    Todo mundo sabe que a rua doze em itaipu é uma reduto de bandidos e nunca ninguém fez nada.
    Vende-se drogas de dia e de noite. Cadê a polícia? Vai dizer que não sabe de nada ?

  7. Dexter - 14/06/2012 - 11:30

    É puro jogo de cena . As executoras da violência já devem até ter completado a maioridade, já devem estar cheias de filhos e netos, e sequer se lembram do delito que cometeram . Fala sério, é mais fácil admitir que nada vai ser feito.

  8. Anika Takay - 14/06/2012 - 11:35

    Se a vítima fosse celebridade televisiva as malfeitoras já estariam identificadas e presas. Não se deve perder de vista que trata-se de imagens com a vítima desnuda e violentada, sem "caras e bocas" para ensaio fotográfico .

  9. Montesquieu - 14/06/2012 - 12:38

    Quando for assim, a população deve denunciar imediatamente que está em andamento um linchamento de "menor infrator" por moradores enfurecidos. Rapidamente aparecerá o aparato policial desejado, e quem sabe a verdadeira vítima será salva . Um caso a pensar .

  10. anderson - 14/06/2012 - 22:40

    primeiro tem que acontecer alguma coisa para poder,agir eles tem e que agora dar segurança para os alunos que querem estudar e para os seus pais que ficam prelcupado quando os vao estudar.eles tem e que acabar com aqueles traficantes que ficam na porta o colegio vendendo droga para os adolesentes.

  11. Camila - 14/06/2012 - 22:49

    Conheço todas as agressoras envolvidas e afirmo que todas são maiores. O vídeo não mostra nada. O cabelo da menina foi cortado na faca. Ela passou por uma sessão de tortura muito antes do vídeo! Ainda no mesmo dia em que a matéria foi publicada no jornal O FLUMINENSE duas das agressoras se encontravam na praça do Engenho do Mato! Acho q a policia não está dando a atenção que o caso merece!

  12. pereira - 14/06/2012 - 14:12

    nao concordo usar a palavra REDUTO DE BANDIDOS pois a grande maioria das pessoas que vivem la sao honestas e trabalhadoras voce nao pode por uma atitude isolada de 3 ou 4 bandidos falar reduto pois nao sou bandido

  13. Camila - 14/06/2012 - 22:53

    Pode ter acontecido não, aconteceu na região oceânica antes em um quartinho na rua 42, próximo a praça. Na hora do vídeo na rua 12!

  14. sse - 14/06/2012 - 23:46

    é o fim gente.

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.