Habitação

O lazer mora cada vez mais perto de nossas casas e apartamentos

1.666665
Tamanho da fonte: A- A+ Por: Bruno Uchôa 26/05/2012

Condomínios estão criando espaços de lazer e se parecendo com clubes, atraindo compradores devido à comodidade e segurança de suas instalações internas

Espaços de lazer em condomínios existem há décadas, mas se limitavam a um playground, uma quadra, piscina e salão de festas. Nos últimos anos, as construtoras passaram a investir pesado na elaboração de condomínios que podem ser considerados praticamente clubes. De acordo com o estudo Panorama no Mercado Imobiliário do Rio de Janeiro, do Sindicato da Habitação (Secovi Rio), 90% dos lançamentos em 2011, incluíram algum tipo de área de lazer. Atrelada a essa tendência está uma outra configuração dos imóveis lançados, que agora possuem metragem menor, independentemente da quantidade de quartos. Nos recentes lançamentos imobiliários em Niterói, é possível encontrar unidades de quatro quartos com cerca de 117 metros quadrados.

De acordo com especialistas do setor imobiliário, a intenção das empresas é compensar a menor metragem com uma área de lazer ampla. Segundo o estudo do Secovi-Rio, 25,9% os empreendimentos construídos no Rio de Janeiro, em 2011, têm brinquedoteca; 35,3% já vêm com espaço gourmet e 57,6% dos novos lançamentos foram construídos com espaço fitness ou academia.

“A área de lazer vira uma extensão do apartamento. Então, a pessoa não tem um quarto de brinquedo, mas o prédio tem uma brinquedoteca, entre outros espaços. Isso só foi viabilizado também devido a uma queda dos preços dos equipamentos. Hoje é possível montar uma academia por R$ 15 mil, por exemplo”, explica Rafael Motta Duarte, sócio-diretor da Percepttiva, especialista em marketing e inteligência imobiliária.

Outra característica desses novos lançamentos é quantidade maior de unidades. O diretor-superintendente da Brasil Brokers, em Niterói, Bruno Serpa Pinto, afirma que a manutenção de amplas áreas de lazer construídas é possível a partir da diluição dos custos pelos moradores.

“Uma infraestrutura completa de lazer e equipamentos de alta qualidade seja para academia, piscina ou spa se torna viável pois o preço é rateado entre os moradores. E isso acaba sendo uma economia e não um gasto extra, porque se fossem pagar uma academia ou mesmo um clube gastariam muito mais do que o preço diluído na taxa condominial”, explica Serpa Pinto.

Uma das construtoras que investe forte na tendência é a Pinto de Almeida, criando uma linha de empreendimentos com área de lazer completa, número maior de unidades a preços mais atrativos. A empresa está construindo os Portais de Pendotiba, Itaipu e do Sol. E em breve lançará um novo empreendimento com a mesma configuração.

O Portal do Sol, lançado no início deste ano, terá 152 unidades de até 57 metros quadrados com dois quartos, sendo uma suíte. O empreendimento será erguido na Estrada Caetano Monteiro, em Pendotiba, com ampla área de lazer com piscinas, churrasqueira, salão de festas, sala de fitness e de repouso, sauna úmida, espaço teen e brinquedoteca. De acordo com o diretor da Pinto de Almeida, Naum Ryfer, o perfil da família brasileira, com menos filhos, contribui para a procura maior de imóveis de dois quartos. Ele também diz que, as questões de mobilidade urbana e segurança são decisivas.

“A questão da segurança é uma das mais importantes na escolha de condomínios. Especificamente, os condomínios-clubes atraem principalmente as famílias que desejam morar em um lugar onde os filhos possam se divertir em segurança”, destaca Ryfer.

Uma das empresas que embarcou na tendência é a Efer, que está lançando o Pride Residences, o primeiro empreendimento residencial da empresa em Niterói. O condomínio será construído na Rua Dom Bosco, no Jardim Icaraí, e vai oferecer 100 unidades, todas de dois quartos, entre 77 e 92 metros quadrados, além de lazer com piscina, brinquedoteca, fitness, espaço gourmet, salão de jogos e spa, contando com segurança 24 horas. Os apartamentos têm preços a partir de R$ 440 mil.

“Os últimos lançamentos em Niterói com imóveis tiveram todas as unidades de dois quartos vendidas rapidamente. Em contrapartida, muitos apartamentos de três quartos ficaram encalhados”, constata o sócio-diretor da Efer, Carlos Eduardo Penna.

Valorização

A construção de unidades com metragem menor em empreendimentos com maior número de apartamentos e área de lazer completa é resultado da elevação dos preços para a construção civil aliada à valorização imobiliária. De acordo com o diretor presidente da Lopes Imobiliária, Luis Carlos Oliveira, a tendência de imóveis menores está diretamente ligada à crescente valorização do metro quadrado nos últimos anos. Apenas em 2011, em Niterói, os imóveis se valorizaram 21,5%.

“Os imóveis têm se valorizado todos os anos, mas a renda das famílias não acompanha, embora também tenha aumentado. Então para ter um valor que caiba no bolso do consumidor, as construtoras diminuem o tamanho e priorizam a área de lazer”, explica Oliveira.

Para Marcelo Latini, diretor da Incorporadora Latini Bertoletti, outro fator que contribuiu para essa tendência foram os custos para a construção civil, que se elevaram e pressionaram os preços dos imóveis. O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) da Fundação Getúlio Vargas (FGV) encerrou 2011 com alta de 7,58%, semelhante ao registrado em 2010, quando fechou em 7,56%, patamares acima da inflação oficial usada pelo governo, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que fechou 2011 em 6,55% e 2010 em 5,79%.

“Essa forte valorização dos imóveis foi influenciada também pelos custos para a construção civil que subiram bem acima da inflação nos últimos anos e as empresas tiveram que repassar esse custo para o consumidor”, afirma Latini.

De acordo com o diretor da Latini Bertoletti, a solução das empresas para não elevar demais os preços dos imóveis foi construir apartamentos com metragem menor para diluir o custo da construção pelo número de unidades maior e também construir áreas de lazer completas para compensar os imóveis mais apertados.

“As construtoras ficaram com medo de o valor dos imóveis ultrapassar a capacidade de pagamento de seus clientes, por isso, adotaram essa configuração. Mas o sucesso também só foi possível devido a uma política de facilitação do crédito com financiamentos com prazos maiores de pagamento”, argumenta ele.

Pay per use

Além de lazer, a preocupação das construtoras está se voltando para o setor de serviços. Com a vida cada vez mais corrida e pouco tempo para as tarefas diárias, oferecer comodidade pode se tornar um diferencial. Segundo Carlos Eduardo Penna, o Pride Residences será erguido com o conceito de levar os serviços de um apart-hotel para um empreendimento residencial.

“Já contratamos uma empresa de administração e vamos construir o prédio de forma que os moradores tenham a opção pelos serviços de arrumação e limpeza, manutenção e reparos e coleta para lavanderia”, conta Penna.

Segundo o diretor da Efer, os serviços serão implantados no sistema de pay per use. Ou seja, o morador não é obrigado a contratar a empresa e pagará apenas pelo que usar.


O FLUMINENSE


AVALIE:

 

Enviar para amigo Imprimir

Comente a Notícia

Os comentários são de total responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Grupo O Fluminense. Mensagens que contenham ofensas, acusações e palavrões ou xingamentos não serão publicadas.

Comentários

Esta matéria possui 3 comentário(s)
  1. Mineiro 1000 - 27/05/2012 - 19:38

    Não há nenhum comentário de que estas áreas de lazer custam caro. São muito bonitas e atrativas na hora de adquirir o apartamento, mas na hora de colocar em funcionamento aí vem o problema do custo que ninguém comenta. Fiquem atentos, pois o custo para isto funcionar não é barato.

  2. Ivan - 30/05/2012 - 16:57

    Nao tenha receio ao investir na aquisição de um imóvel para sua família nada é caro, normalmente o homem gosta de investir na compra de um carro e nao acha caro, pense no futuro de sua familia e tenha a segurança de morar no que é seu.

  3. Tathiana - 31/05/2012 - 06:45

    Não é caro quando bem administrado! Normalmente, essas taxas de decoração e montagem do lazer são parceladas para o comprador no prazo de obras.

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.

Publicidade:



Redes Sociais






Fale com
a Redação

(21) 2125-3065